Pacto Com a Felicidade (Orlando Alves Gomes)

Imagem
De hoje em diante todos os dias ao acordar, direi: Eu hoje vou ser FELIZ ! Vou lembrar de agradecer ao sol pelo seu calor e luminosidade, sentirei que estou vivendo, respirando. Posso desfrutar de todos os recursos da natureza Gratuitamente. Não preciso comprar o canto dos pássaros, nem o murmúrio das ondas do mar. Lembrarei de sentir a beleza das árvores, das flores. Vou sorrir mais, sempre que puder. Vou cultivar mais amizades e neutralizar as inimizades. Não vou julgar os atos dos meus semelhantes ou companheiros. Vou aprimorar os meus. Lembrarei de ligar para alguém para dizer que estou com saudades ! Reservarei minutos de silêncio, para ter a oportunidade de ouvir.  Não vou lamentar nem amargar as injustiças. Vou pensar no que posso fazer para  Diminuir seus efeitos. Terei sempre em mente que um minuto passado,  não volta mais, vou viver todos os minutos proveitosamente. Não vou sofrer por antecipação prevendo futuros incertos, nem com atraso,  lembrando de coisas sobre as quais

PORQUE ESCREVO (Rita Mendonça)



Escrevo pra te ter por perto.
É somente isso.
Por saber que em algum lugar
– não sei ao certo onde, talvez do meio do mar –
buscarás por mim com os olhos de tua alma cega, 
todo os dias.
Em tempos modernos, leituras diárias e obrigatórias
são as chamadas do jornal on line, a caixa de mensagens,
o twitter, o site de compras em promoção.
Os meus escritos não se encontram
entre as opções recomendadas pelos especialistas,
para uma boa administração do tempo e da vida.
Estariam na classificação das futilidades. 
Mas sei que tens, silencioso e furtivo, 
mais um item essencial
em tua rotina diária: o Meu Jardim.
Perde-te nele, 
escondendo-se dos especialistas e consultores.
Se eles descobrem que gastas tempo assim, comigo...
Buscas diariamente por mim – eu pressinto.
Interpretas imagens, observa a mudança das cores,
a nitidez das letras, remoendo as palavras
na ânsia de extrair-lhes as informações que precisas
para saber de mim. 
Sei que esperas que delas saia algum cheiro ou umidade,
que te façam rememorar as lembranças doces
de nossa sobrevida em comum.
Franzirás a testa, em surpresa, 
quando souberes de mim, atualmente.
Perto de ti, jamais teria coragem! Não me permitiria.
Mas assim ... solta... posso tudo!
Não há porque me poupar dos riscos, da adrenalina
e dos efeitos do cio.
Sou só eu. Me jogo.
Percorres o meu jardim todo.
E eu, furtiva, te observando 
por trás das gérberas vermelhas 
do jardim de delícias 
(é que são as minhas preferidas).
Quero correr o olhar sobre ti diversas vezes
De cima a baixo, de cima a baixo,
Com a pressa de quem tem fome
e escorre em gotas densas.
Se me perceberes a presença, 
ah, aí me exibirei,
com a pouca roupa que me reste,
em passos de gazela, jogando os cabelos para o lado
simulando displicência
disfarçando a orquestração 
de minhas atitudes programadas e sedutoras, 
feitas para te causar espasmos.
Ah, os odores... 
Exaustivos ensaios para o caso de te olhar nos olhos.
Mirar-te-ei fixo - é o combinado.
Mas a ave de rapina que não come há dias
vai me denunciar e te mostrar as marcas,
aquelas dos pulsos, que só você conhece.
As que se escondem 
entre as pedras e miçangas que me adornam.
Venho escrevendo para te ter por perto
Uma sherazade dos tempos modernos, 
de jeans e lap top na mochila.
É o visual que me cai bem,
(embora a profissão e a idade queiram me impor outro).
Sei do teu encanto pelo que sai dos meus lábios
e das pontas dos meus dedos.
Então, despudorada, me exibo em palavras.
Escrevo para que me sinta latente em tuas veias grossas,
as que alimentam os teus braços 
cujo calor e a firmeza me encantam sempre que te vejo.
Palavras saindo em fluxo de violenta pressão,
porque tenho urgência de ti.
Escrevo para que me sinta quente e úmida em tuas mãos
Acostumei assim, a não poder, a todo momento,
te encher dos beijos
e da pressão da minha boca, nos pontos certos.
Acostumei assim, 
a te encher de letras e palavras roucas em grafite,
ou de letras de forma pontiaguda no computador,
como flechas.
Há tempos que os meus beijos 
são os de batom púrpura em papel de escritório,
marcando o fim do que te escrevo
Nunca chegarão a tuas mãos, como, de fato, seus.
Uso em meu favor o benefício da dúvida:
a publicação. 
Em versos, há a desculpa do personagem, 
de que se trata de ficção.
E me divirto em saber que isso te atordoa.
Uma mulher má... 
Abaixo, sempre assinado 
em discreta caneta preta: A Sua.

Copyright © 2009 by Rita de Cássia Tenório Mendoça
All rights reserved.

*veja mais de Rita Mendonça aqui: http://palavrasdeabsinto.blogspot.com.br






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

'ATÉ QUE A MORTE...' (Rubem Alves)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

Pacto Com a Felicidade (Orlando Alves Gomes)

Eu Venho de Lá... (Rita Maidana)