Nenhuma Qualquer (Paulo Miranda Barreto)


Meu bem. . .
mulher nenhuma
é ‘qualquer uma’

nem tem
que bem- querer
quem mal lhe quer . . .

meu bem
toda mulher
é supra e suma

orquídea
que perfuma
se quiser . . .

qualquer mulher
é todas. . .
doce Luma

porém,
mulher alguma
é ‘uma qualquer’. . .

PAULO MIRANDA BARRETO
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)