Seu Rei Mandou Dizer... (Emanuel Galvão)


"...mas das palavras não sou eu que faço uso.
São elas, as geniosas, as venais que se utilizam
de mim e se divertem.."
Bruna Lombardi


Pensei certa vez:
Que ofício tem o poeta,
Senão brincar com as palavras?
Não percebia eu
Que elas - as palavras -
É que brincavam comigo.

Percebi isto quando,
Brincar não estava disposto
E as palavras brincavam de se esconder,
De escorregar, de pega-pega,
De pular carniça;
- cada brincadeira de mau gosto! -
De boca de forno,
Só pra me fazer ir e vir.
Atrás de letras, sílabas, pontos, vírgulas
Que seu rei mandou dizer...
E como não bastasse dizer!
Escrever, escrever, escrever...

Mas a palavra é como criança
Quer ser grande antes do tempo
Quer ser independente
- palavras dão um trabalhão
quando esperneiam cheias de vontades -
É feito filho que a gente cria
Sem saber pra quê
(antes, depois ou entre)
Palavra encanta a gente!
E dá a falsa esperança
Que através delas
A gente pode ser pra sempre.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Tela: Moleques Pulando Cela (1958) - Cândido Portinari

Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)