Última Carta (Emanuel Galvão)


É-me difícil escrever-te com ternura
Movido assim por desgastada saudade
Culpando talvez a desventura
De tê-la protegido da verdade

Untei teus lábios com adocicada saliva
E pus cautela nas mãos despudoradas
Que promoveram desordens lascivas
Nos seios de tantas outras namoradas

Quisera novamente envolver-me em teu leito
Lamber-te o umbigo, cravar-te os dentes
Mas, é cruel fingir que arde ainda no peito

A chama, o fogo dos apetites indecentes
Com o desejo um passo à frente do remorso
Amei-te no leito, mas no peito, já não o posso.

Copyright © 2007, 2012, Emanuel Galvão. 
All rights reserved.

Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana