Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

SOBRE O ANO NOVO (OU O PRÓXIMO DIA)

Agencia Alagoas

La fora o sol já me sorria
E o barulho dos carros e o despertador
Convidando-me ao trabalho, confirmaria
Que se tratava do segundo dia

Ao terminar os lances da escadaria
Chegando ao final do corredor
Meu vizinho ranzinza me reafirmaria
Que era mesmo o segundo dia

Apenas tendo deixado a portaria
Já escuto o barulho estridor
Do motorista com sua antipatia
Buzinando: é o segundo dia!

E no emprego já me aperceberia
Do peso hereditário do trabalhador
Envolvido com toda aquela burocracia
Intimando-me ao ofício do segundo dia

Logo mais em casa, onde descansaria
Do fardo do meu entediante labor
Minha amada, aborrecida, me receberia
Confirmando de vez que era o segundo dia

E o noticiário, recorrente informaria
Os horrores do mundo em meu televisor
Percebam, vejam que estranha ironia
Já não se falava de esperança no segundo dia

Parecia que nada mais me surpreenderia...
Onde fora parar a fraternidade e o amor
Os sonhos, o brilho nos olhos, a euforia
Que parecia tão distante no segundo dia?

Lembrei-me então de todas as alegrias
Dos abraços, do champanhe, do esplendor
Das luzes e toda aquela pirotecnia
Que antecederiam todos os outros dias

Pois que um ano se edifica com sabedoria
Nos detalhes, dia a dia, com afã de construtor.
Apesar de, embora que... Levante-se, tente, sorria...
Que esse é apenas o segundo dia

Sem métrica, sem pretensão da poesia.
Caneta, ideia, papel... Sou escritor.
Vejamos! O que mais me caberia?
Senão escrever, o próximo dia.

Copyright © 2012 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Pele (Emanuel Galvão)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

VEM (Emanuel Galvão)

CÍNICO (Emanuel Galvão)