Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Imagem
  Meu corpo deseja teu calor Volúpia que me faz enlouquecer Com fúria e sem nenhum pudor E a certeza de não te esquecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você As flores exalam seu olor Antes que possam fenecer O sol fornece seu calor Antes da noite o esconder  Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Talvez haja um pouco de temor Mas preciso então esclarecer Revelar-me parece libertador Senão, sou capaz de padecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Das paixões sou colecionador Mas você me fez amolecer Com seu jeitinho encantador E beleza que não posso descrever Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Escrever é algo desafiador Mas que se pode aprender Amante não tem procurador Ninguém pode substabelecer Eu que não sei falar de amor Resolvi escrever para você Menina te falo com muito ardor Para você jamais me esquecer Ser poeta ou ser um trovador Nem se compara em te satisfazer Eu que não sei falar de amor Resolvi es

SOBRE O ANO NOVO (OU O PRÓXIMO DIA)

Agencia Alagoas

La fora o sol já me sorria
E o barulho dos carros e o despertador
Convidando-me ao trabalho, confirmaria
Que se tratava do segundo dia

Ao terminar os lances da escadaria
Chegando ao final do corredor
Meu vizinho ranzinza me reafirmaria
Que era mesmo o segundo dia

Apenas tendo deixado a portaria
Já escuto o barulho estridor
Do motorista com sua antipatia
Buzinando: é o segundo dia!

E no emprego já me aperceberia
Do peso hereditário do trabalhador
Envolvido com toda aquela burocracia
Intimando-me ao ofício do segundo dia

Logo mais em casa, onde descansaria
Do fardo do meu entediante labor
Minha amada, aborrecida, me receberia
Confirmando de vez que era o segundo dia

E o noticiário, recorrente informaria
Os horrores do mundo em meu televisor
Percebam, vejam que estranha ironia
Já não se falava de esperança no segundo dia

Parecia que nada mais me surpreenderia...
Onde fora parar a fraternidade e o amor
Os sonhos, o brilho nos olhos, a euforia
Que parecia tão distante no segundo dia?

Lembrei-me então de todas as alegrias
Dos abraços, do champanhe, do esplendor
Das luzes e toda aquela pirotecnia
Que antecederiam todos os outros dias

Pois que um ano se edifica com sabedoria
Nos detalhes, dia a dia, com afã de construtor.
Apesar de, embora que... Levante-se, tente, sorria...
Que esse é apenas o segundo dia

Sem métrica, sem pretensão da poesia.
Caneta, ideia, papel... Sou escritor.
Vejamos! O que mais me caberia?
Senão escrever, o próximo dia.

Copyright © 2012 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Timidez - Eu Que Não Sei Falar de Amor (Emanuel Galvão)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)