ECLIPSE (Emanuel Galvão)





Sou tímida, sou nua
Sou pálida, sou tua
Mas que tristeza
Teres nascido sol
E eu, ao invés de estrela
Ter nascido lua.


És resplandecente e belo
És ardente, ouro-amarelo.
Mas que alegria.
Quando estou contigo,
No mesmo dia,
Mesmo que apagada
Sou lua, sou nua, sou tua
Namorada.

És sol:
Teus cabelos são chamas
Teus olhos luz
Tua boca arde
E teu cabelo celeste
Tudo insinua.
Mas sou covarde
Sou tua, sou nua, sou lua:

Quando nova,
Timidamente apagada
Crescente, desvairada
Cheia, de amor e de luz
Minguante, faltando um pedaço
Me desfaço
Esvaindo-me sem teus braços.

Invejo o mais pequenez
Dos homens que podem amar
E desarmar com o olhar
O não dos lábios.

Invejo o poeta na sua loucura
Na vã procura, do amor platônico
Da poesia perfeita
Da mulher eleita.

Mas, és sol e sou lua
Quem a favor do nosso amor
Há de conceder o caos universal?
- Quem se importunou?! -
Quem decretará o apocalípse?
Para ardermos nós num eterno
Eclipse.


Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)