Toda Matéria (Mírian Monte)

Foto by: Maria Thereza Monte Borges de Souza

Pode a morte ser como as velas
Navegando o Mucuripe
Da canção que ora é festa
Com refrão que sempre é triste
Ou a flor da moça bela
Arremessada do arrecife
Para flutuar nas ondas
Com a fé que ainda existe

Pode a morte ser o gozo
Ou o beijo dos amantes
Pode a morte ser desgosto
De lembrar como era antes
Pode a morte ser o sonho
Que não se realizou
Pode ser o desconforto
Do medo e do desamor

Sinto a morte percorrendo
Minhas veias e artérias
E por isso tenho pressa
De viver toda matéria
E até que eu pereça
Provarei cada sabor
E quem sabe aconteça
O que dizem ser amor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

Os Votos (Sérgio Jockymann)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

CANÇÃO DAS MULHERES (Lya Luft)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Se Voltares (Rogaciano Leite)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)