Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2018

A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Neruda (Rafael Britto)

Imagem
Não me prive do consolo do seu olhar terno E nem troque as fechaduras do seu coração Acabe com esses delírios tão inquietos Pois estou perto e certo que temos solução Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... Se deite na areia da praia mais linda que ver Relembre seus momentos felizes comigo Refaça as coisas que não deram certo Procure nas ondas da vida um mar de sorrisos Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... Volta pra casa, trazendo as malas de sua viagem Na bagagem mostra por onde seu sonho passou O que soprou o vento em seus cabelos Remete-los ao acordar que nossa vida já chegou Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... E se você dormir por estar confusa com isso Cismo eu mesmo de tentar te ajudar Acompanhar seu sofrimento tão impreciso Algo tão ambíguo, mas querido, como o mar Se eu posso viver tudo isso de novo, posso lhe fazer feliz agora... Sou péssimo com as palavr

Ainda Cabe Sonhar (Jonathan Silva)

Imagem
Bordar, num pano de Linho Um poema Tambor que desperte o vizinho. Pintar, no asfalto e no rosto Um poema alvoroço que adormeça a cidade. Dançar com tamancos na praça Cantar, porque um grito já não basta Esfarrapados, banguelas e Meninos de rua, poetas, babás. Vistam seus trapos, abram os teatros, É hora de começar: Alerta, desperta, ainda cabe sonhar. Alerta, desperta, ainda cabe sonhar.

Aninha e Suas Pedras (Cora Coralina)

Imagem
Não te deixes destruir… Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas. Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça. Faz de tua vida mesquinha um poema. E viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir. Esta fonte é para uso de todos os sedentos. Toma a tua parte. Vem a estas páginas e não entraves seu uso aos que têm sede.

Inevitável (Paulo Miranda Barreto)

Imagem
Coloquei palavras na boca da noite Sussurrei mentiras na orelha dos livros Conversei com plantas, retratos, paredes. . . e roubei de Deus uns dons subversivos Caminhei nas nuvens com meus pés de vento Bebi oceanos, fumei nevoeiros e desapontei ponteiros de relógio por matar meu tempo . . . com versos certeiros Não ganhei o dia, nem movi o monte mas juro . . . delirei a cada letra aliterando as linhas do horizonte. . . rimando a luz até domar o medo. . . Olhei os lírios do campo Contei estrelas, segredos Cortei pulsos, fios e dedos. . . Errei, conheci verdades. . . Caí do céu noutro mundo Vi pra crer, quase não cri . . . Ousei escapulir . . . Pulei um muro Revi meu passado, previ meu futuro e dei-me de presente um ‘Bem Maior’ Fui muitas vezes dessa pra melhor. . . -garanto que ser eu nunca foi fácil- fui sempre o ‘menos lúcido’ no hospício e nunca o ‘mais benquisto’ no palácio. . . fui fundo, fiz chover, salvei uns santos e devo admitir . . . nem foram tantos mas, tudo bem -ningué