Ao Góes (Emanuel Galvão)



“Plantei um pé de saudade
E nunca mais ele morreu”
                           mgóes


Ele vivia
driblando a solidão
mente sã
corpo não

era do tipo de poeta
que costura versos
com a linha do equador
eu costurei seus versos
num poema de amor


sua poesia nasceu para sentir,
e hoje mais do que nunca sente...
e sente muito
sua ausência
e Deus lhe deu
de presente um
pedaço de céu azul
escrito em baixo:

estrelado para cima.

ele que era como Deus
só que as avessas
escrevia torto
por linhas retas
foi recebido
por antigos poetas
e escritores:
Ascenso Ferreira,
Hermilo Borba Filho,

fez bonito frente
aos conterrâneos
Juarez Correia,
Luiz Berto

a doença ao Góes
entregou...
um poeta liberto.


Copyright © 2018 by Emanuel Galvão
All rights reserved.





Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)