Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2018

A Quatro (Remo Sales)

Imagem
Uma folha A4
Quantos caracteres cabem aqui dentro?
Será que alguém já pensou nisso?
Quantos pensamentos cabem aqui,
Neste espaço limitado?
Pensamentos são limitados?
Não, com certeza não.
Gostaria de poder registrá-los
Tão logo eles surgissem,
Frutificassem.
Usar um espaço tão limitado
Como esse A4
Tem de ser bem ponderado.
De outro modo,
Escrever, escrever, escrever
Sem ter nada para dizer
É melhor emudecer.
O silêncio também pode dizer muito,
Isso é o que dizem por aí.
Se assim o fosse uma folha em branco
Seria um belo texto.
A candura de uma folha
Sem nenhum outro contraste
Pode sim ser sinônimo de excesso.
Excesso de falta de pensamentos, de palavras
Ou de tempo.

Copyright © 2018 by Remo Sales
All rights reserved.


Oxigénio (Emanuel Galvão)

Imagem
Amada,
te quero muito bem...

Eu sei que sabes!

Mas, quero ser como a brisa
em dias de verão...
- um sopro que se repete como compulsão -.

Nos dias frios...
também se repetir.
Ser como as cobertas que puxas cada vez mais
para perto de ti.

E por fim...
Nos dias amemos,
destes mais ou menos,
esses que nem notas que existo...
ser oxigénio...
por saber que não vives
sem mim.



Copyright © 2018 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



Ars Poética (Paulo Sabino)

Imagem
marcar o papel a palavra
fogo
coisa que queime,
que permita combustão

rasgar a folha a metáfora
faca
coisa que corte,
que sangre emoção

lamber a linha a imagem
língua
coisa que arrepie,
que concentre tesão

molhar o branco a figura
água
coisa que inunde,
que contemple imensidão

Fanatismo (Florbela Espanca)

Imagem
Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida.
Meus olhos andam cegos de te ver.
Não és sequer razão do meu viver
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No mist'rioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!...

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa...
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: princípio e fim!..."

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)

Imagem
Entre o gasto dezembro e o florido janeiro, entre a desmistificação e a expectativa, tornamos a acreditar, a ser bons meninos, e como bons meninos reclamamos a graça dos presentes coloridos. Nessa idade - velho ou moço - pouco importa. Importa é nos sentirmos vivos e alvoroçados mais uma vez, e revestidos de beleza, a exata beleza que vem dos gestos espontâneos e do profundo instinto de subsistir enquanto as coisas em redor se derretem e somem como nuvens errantes no universo estável.

Prosseguimos. Reinauguramos. Abrimos olhos gulosos a um sol diferente que nos acorda para os descobrimentos. Esta é a magia do tempo. Esta é a colheita particular que se exprime no cálido abraço e no beijo comungante, no acreditar na vida e na doação de vivê-la em perpétua procura e perpétua criação. E já não somos apenas finitos e sós. Somos uma fraternidade, um território, um país que começa outra vez no canto do galo de 1º de janeiro e desenvolve na luz o seu frágil projeto de felicidade.