Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

Queria Ser (Fabio Jr)



Queria ser...
Uma folha de papel em branco
Onde as pessoas pudessem escrever o quanto elas são felizes ou não


Queria ser...
Só dez minutos de chuva
Pra poder apagar esse fogo que atua
Tua solidão

Queria ser...
Qualquer coisa mais firme
Que não movesse ao som das palavras
Que não morresse ao som da melodia
Da melodia de uma canção
Queria ser...
Qualquer coisa mais livre
Sobrevoar essa doce prisão
Que é o valor da emoção de ser gente
E ter meus pés aqui no chão
Aqui no chão

Queria ter...
Mais um pouco de espaço
Pra que esses sonhos que eu sonho aqui em baixo
Pudessem tocar o céu

Queria ter cinco anos de idade
Pra que esse pano de realidade
Caísse aos meus pés

Queria ser só um pouco mais denso
Pra segurar na cabeça o que eu penso
Pra libertar esse medo de rua
E bem mais cedo ser tudo o que sou

Queria ser...
Qualquer coisa mais livre
Sobrevoar essa doce prisão
Que é o valor da emoção de ser gente
Gente por condição







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

O Poeta Diante de Deus (Jorge de Lima)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)