Desconstrução (Fellipe Figueiroa)


Criou daquela vez como se fosse a última.
Fez cada job seu como se fosse o único.
Pensou o dia inteiro e ficou o máximo.
Mandou pro atendimento num e-mail tímido.


Teve que refazer como se fosse máquina.
A campanha reprovada com argumentos sórdidos
Criou mais uma vez outros roteiros mágicos
Esperou aprovação como se fosse lógico.

O cliente não gostou e aconteceu o trágico:
Pediu pra refazer como se fosse um príncipe.
Tentou reagir mas se sentiu estático.
Pensou mais uma vez no concurso público.

E virou a noite inteira parecendo um bêbado.
Comeu pizza de novo e ficou mais flácido.
Saiu de manhãzinha se sentindo estúpido.
E ainda ter que voltar pra terminar no sábado.




Revista Bravo, dezembro de 2009 pag. 43 (Bravo! Chico)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Harmonia (Marla de Queiroz)

'Eu desejo que você consiga...' (Marla de Queiroz)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Olhos (Ademir João da Silva)

Elogio ao Desejo (Emanuel Galvão)