Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2013

Pacto Com a Felicidade (Orlando Alves Gomes)

Imagem
De hoje em diante todos os dias ao acordar, direi: Eu hoje vou ser FELIZ ! Vou lembrar de agradecer ao sol pelo seu calor e luminosidade, sentirei que estou vivendo, respirando. Posso desfrutar de todos os recursos da natureza Gratuitamente. Não preciso comprar o canto dos pássaros, nem o murmúrio das ondas do mar. Lembrarei de sentir a beleza das árvores, das flores. Vou sorrir mais, sempre que puder. Vou cultivar mais amizades e neutralizar as inimizades. Não vou julgar os atos dos meus semelhantes ou companheiros. Vou aprimorar os meus. Lembrarei de ligar para alguém para dizer que estou com saudades ! Reservarei minutos de silêncio, para ter a oportunidade de ouvir.  Não vou lamentar nem amargar as injustiças. Vou pensar no que posso fazer para  Diminuir seus efeitos. Terei sempre em mente que um minuto passado,  não volta mais, vou viver todos os minutos proveitosamente. Não vou sofrer por antecipação prevendo futuros incertos, nem com atraso,  lembrando de coisas sobre as quais

Primeira Lição (Lêdo Ivo)

Imagem
Na escola primária Ivo viu a uva e aprendeu a ler. Ao ficar rapaz Ivo viu a Eva e aprendeu a amar.

POR QUE ALAGOAS SANGRA? (Jeová Santana)

Imagem
ANPUH-AL (À memória dos 1.146 assassinatos até o fechamento deste poema) Porque não ouviu as chaleiras sonoras de Hermeto Pascoal Porque não sentiu os desgostos de filha de Djavan Porque não chorou com o mundo coberto de penas de Graciliano Ramos Porque não leu o cavalo de chamas que lia a mesma página de Jorge de Lima Porque não dividiu a solidão do morto e da lua de Jorge Cooper Porque não se espantou com os malabares concretos de Edgar Braga Porque não se irmanou à bruteza ternura de Jofre Soares

Se tu viesses ver-me hoje a tardinha (Florbela Espanca

Imagem
Se tu viesses ver-me hoje à tardinha, A essa hora dos mágicos cansaços, Quando a noite de manso se avizinha, E me prendesses toda nos teus braços...

Liberdade (Carlos Marighella)

Imagem
Não ficarei tão só no campo da arte, e, ânimo firme, sobranceiro e forte, tudo farei por ti para exaltar-te, serenamente, alheio à própria sorte. Para que eu possa um dia contemplar-te dominadora, em férvido transporte, direi que és bela e pura em toda parte, por maior risco em que essa audácia importe. Queira-te eu tanto, e de tal modo em suma, que não exista força humana alguma que esta paixão embriagadora dome. E que eu por ti, se torturado for, possa feliz, indiferente à dor, morrer sorrindo a murmurar teu nome. São Paulo, Presídio Especial, 1939.

Barro Nosso de Cada Dia (Adriana Moraes)

Imagem
Barro nosso de cada dia... Seria assim que eu falaria do cotidiano. Desde que o Criador Supremo fez Sua obra divina e com um simples sopro nas narinas fez vida, O barro chamou-se poesia.

Ensinamento ( Adélia Prado )

Imagem
Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é.

'Eu Curto, Curtos' (Zema Silva Ferreira)

Imagem
Plantei felicidade em imensos  espaços vazios que me deste.  ... era a lua,  Tão majestosa - dona da noite,  A iluminar-me  Com seu sorriso.

Tempo que foge! (Ricardo Gondim)

Imagem
Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não vou mais a workshops onde se ensina como converter milhões usando uma fórmula de poucos pontos. Não quero que me convidem para eventos de um fim-de-semana com a proposta de abalar o milênio. Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos parlamentares e regimentos internos. Não gosto de assembléias ordinária

Eu (Florbela Espanca)

Imagem
Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que na vida não tem norte, Sou a irmã do Sonho, e desta sorte Sou a crucificada... a dolorida... Sombra de névoa ténue e esvaecida, E que o destino, amargo, triste e forte, Impele brutalmente para a morte! Alma de luto sempre incompreendida! Sou aquela que passa e ninguém vê... Sou a que chamam triste sem o ser... Sou a que chora sem saber porquê... Sou talvez a visão que Alguém sonhou, Alguém que veio ao mundo pra me ver E que nunca na vida me encontrou!

O Lado Quente do Ser (Antônio Cícero / Marina Lima)

Imagem
Eu gosto de ser mulher Sonhar arder de amor Desde que sou uma menina De ser feliz ou sofrer Com quem eu faça calor Esse querer me ilumina E eu não quero amor, nada de menos Dispense os jogos desses mais ou menos Pra que pequenos vícios Se o amor são fogos que se acendem sem artifícios Eu já quis ser bailarina São coisas que não esqueço E continuo ainda a sê-la Minha vida me alucina É como um filme que faço Mas faço melhor ainda do que as estrelas Então eu digo amor, chegue mais perto E prove ao certo qual é o meu sabor Ouça meu peito agora Venha compor uma trilha sonora para o amor Eu gosto de ser mulher Que mostra mais o que sente O lado quente do ser Que canta mais docemente

Ausência (Sophia de Mello Breyner)

Imagem
Num deserto sem água Numa noite sem lua Num país sem nome Ou numa terra nua

#Tuiteratura (Zema Silva Ferreira)

Imagem
  (Foto: Camila Pissaia/Sesc) #Resolvi ir caminhando pra casa. o mundo não é tão longe assim. #Entendia todos os sinais da economia, mas não os do coração. Infartou na Paulista. - Estes dois poemas foram incluídos na mostra Tuiteratura que aconteceu em São Paulo.

"Eu sei, mas não devia" (Marina Colasanti)

Imagem
Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia. A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

Hino de Alagoas (Luiz Mesquita / Benedito Silva)

Imagem
Praia da Barra de São Miguel veja mais  aqui: Alagoas, estrela radiosa, Que refulge ao sorrir das manhãs, Da República és filha donosa, Maga Estrela entre estrelas irmãs.

A rendeira (Adriano Espíndola)

Imagem
Na teia da manhã que se desvela a rendeira compõe seu labirinto, movendo sem saber e por instinto a rede dos instantes numa tela.

Última Carta (Emanuel Galvão)

Imagem
É-me difícil escrever-te com ternura Movido assim por desgastada saudade Culpando talvez a desventura De tê-la protegido da verdade

Queria Ser (Fabio Jr)

Imagem
Queria ser... Uma folha de papel em branco Onde as pessoas pudessem escrever o quanto elas são felizes ou não

Vida Reinventada (José Alberto Costa)

Imagem
À noite minh'alma percorre o infinito espaço das lembranças perdidas.

Desconstrução (Fellipe Figueiroa)

Imagem
Criou daquela vez como se fosse a última. Fez cada job seu como se fosse o único. Pensou o dia inteiro e ficou o máximo. Mandou pro atendimento num e-mail tímido.

Construção (Chico Buarque)

Imagem
Amou daquela vez como se fosse a última Beijou sua mulher como se fosse a última E cada filho seu como se fosse o único E atravessou a rua com seu passo tímido Subiu a construção como se fosse máquina Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Tijolo com tijolo num desenho mágico Seus olhos embotados de cimento e lágrima

Desabafo do Poeta (Manoel Cícero do Nascimento)

Imagem
No mundo da teimosia entre a tristeza e a arrogância, é tão triste a ignorância, tão cruenta e tão mordaz que a própria sabedoria de tudo sabendo tanto não pode saber do quanto o ignorante é capaz.  (Do poeta Manoel Cícero do Nascimento, alagoano de Coqueiro Seco, escrito no início dos anos 60, porém, muito atual) José Alberto Costa

MULHER POR EXCELÊNCIA (Emanuel Galvão)

Imagem
Esse macho, que me vem como ladrão Me rouba essa segurança de mulher Despreza-me com esse olhar de mansidão E me devora com seus beijos, quando quer.

MUDE (Edson Marques)

Imagem
Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.

CONSELHO (Adilson Bispo / Zé Roberto)

Imagem
Deixe de lado esse baixo astral, Erga a cabeça enfrente o mal, Que agindo assim será vital Para o seu coração.

SONETO (Aurélio Buarque de Holanda)

Imagem
Amar-te- não por gozo da vaidade, Não movido de orgulho ou de ambição. Não à procura da felicidade, Não por divertimento à solidão.