A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Um Beijo a Distância (Emanuel Galvão)



O que dizer de alguém inefável?
Principalmente sendo esse ser, feminino.
Que de modo intenso e amável
Fez-me sentir: ora homem, ora menino.

Seu gestual trazia tal sutileza
Que meus olhos se iluminaram
A visão de tanta beleza.
Materializava-se como enlevo na natureza,
Seu corpo nu, refletido no espelho.
- o homem meu caro, é a circunstância! -
Sua boca, vestida de vermelho,
Mais parecia um beijo a distância.

Eu que sou tão tímido
E me escondo nos versos, na poesia
Vi-me  tomado de uma libido
De um frenesi, uma fantasia.
Ela era uma mulher. A mulher:
Que se deseja, que se sonha, que se quer.

Há de se convir
Que estar nu, vai mais além
Que se despir!
Já que vos pus cientes das particularidades
Dar-vos-eis conhecer das intimidades.
- Um pouco apenas, compreendam! -

Era uma mulher para ser amada com ousadia
Em seu ouvido eu sussurraria
Palavras cuja paixão inflama
Por onde, não se surpreendam,
Eu começaria
A beijar pelo pé da cama.



Copyright © 2015 by Emanuel Galvão
All rights reserved.


Elogio ao Desejo & Outras Palavras / Emanuel Galvão,
Maceió - AL. - Quadrioffice Editora, Quatro Barras, PR, 2015.
Pag. 95

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

'UMA OSTRA QUE NÃO FOI FERIDA NÃO PRODUZ PÉROLAS' (Rubem Alves)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)