Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

Intervalo (Carlos Pronzato)

Imagem
  Te tomo da mão Respiro teu aroma de metais Ferrugem ou carmim Tua boca é uma engrenagem frenética De flores Nosso intervalo é tão curto Que as palavras voam Como pregos cintilantes Em rosas de cobre Beijos martelados no alumínio Dos teus lábios A sirene interrompe A brisa do pátio E a paisagem do teu rosto Nos devolve ao estrondo À diária exploração Do cartão de ponto. Copyright © 2021 by Carlos Pronzato All rights reserved  

Tá Combinado (Caetano Emanuel Viana Teles Veloso)

Imagem
Então tá combinado, é quase nada  É tudo somente sexo e amizade Não tem nenhum engano nem mistério É tudo só brincadeira e verdade Podemos ver o mundo juntos Sermos dois e sermos muitos Nos sabermos sós sem estarmos sós Abrirmos a cabeça Para que afinal floresça O mais que humano em nós Então tá tudo dito e é tão bonito E eu acredito num claro futuro De música, ternura e aventura Pro equilibrista em cima do muro Mas e se o amor pra nós chegar De nós, de algum lugar Com todo o seu tenebroso esplendor? Mas e se o amor já está Se há muito tempo que chegou E só nos enganou? Então não fale nada, apague a estrada Que seu caminhar já desenhou Porque toda razão, toda palavra Vale nada quando chega o amor

Os Pés no Chão (Emanuel Galvão)

Imagem
Sabe seu moço, eu aprendi uma palavra nova. Uma palavra da moda, pra se falar de democracia. Tem a ver com falsidade, essa tal de hipocrisia. Serve para o poder prender gente sem prova, Mas deve ter alguma outra serventia: Tirar de circulação o que os “home” desaprova, Prejudicar quem já está com o pé na cova, Silenciar, quem sabe, alguma teimosia. Seu moço eu sou pessoa simples, “ignorante”, Mas, não vivo num mundo de fantasia. Quero lançar também meu grito retumbante! Sabe os de luta? Pertenço a essa categoria. Sou talvez um pé na cova com pés no chão. Seu moço, os oprimidos fazem a revolução. Copyright © 2018 by Emanuel Galvão All rights reserved.

Eu Venho de Lá... (Rita Maidana)

Imagem
Eu venho de lá, onde o bem é maior. De onde a maldade seca, não brota. De onde é sol, mesmo em dia de chuva e a chuva chega como benção. Lá sempre tem uma asa, um abrigo para proteger do vento e das tempestades. Eu venho de um lugar que tem cheiro de mato, água de rio logo ali e passarinho em todas as estações. Eu venho de um lugar em que se divide o pão, se divide a dor e se multiplica o amor. Eu venho de um lugar onde quem parte fica para sempre, porque só deixou boas lembranças. Eu venho de um lugar onde criança é anjo, jovem é esperança e os mais velhos são confiança e sabedoria. Eu venho de um lugar onde irmão é laço de amor e amigo é sempre abraço. Onde o lar acolhe para sempre, como o coração de mãe. Eu venho de um lugar que é luz mesmo em noite escura. Que é paz, fé e carinho. Eu venho de lá e não estou sozinho, “SOU CATADORA DE LINDEZAS", sobrevivo de encantamento, me alimento do que é bom, do bem. Procuro bonitezas e bem querer, sobrevivo do que tem clar