A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Tributo à mulher (Cícero Manoel)



                                             
Mulher eu te enalteço
Pela tua valentia,
Pela tua inteligência,
Pela tua maestria,
Por todos os teus conceitos
Na luta por teus direitos
Que cresce a cada dia.

Mulher tu és corajosa,
Mereces muito respeito,
Nunca deixes de lutar,
Lute, pois é teu direito.
És uma grande guerreira,
Mulher a tua bandeira
Eu boto em cima do peito.

O homem é teu dependente,
Sem ti ele não é nada.
És rainha da beleza,
És uma flor delicada.
A criação mais formosa
A joia mais preciosa
A deusa mais venerada.

Pra governar o mundo
Mulher, tu tens vocação,
Governas melhor que o homem
Em qualquer repartição,
Nos milagres do poder
Somente tu podes ser
Nossa grande salvação.

Tu tens bastante talento,
Tudo tens imenso valor,
Na terra tu és o ser
Que inspira mais amor.
Da luta nunca desista
Nesse mundo tão machista
Tu não és inferior.

O homem não é teu dono,
Tenho pena dos teus ais,
Os massacres contra ti
Já foram longe de mais.
Tu não podes ser usada,
Nem tão pouco rebaixada,
Os direitos são iguais.

Tu não és um objeto
Para alguém usar e jogar,
Sem ti a humanidade
No tempo iria parar,
O teu pensar é profundo
Mulher, esse velho mundo,
Ainda vais dominar!

Tu encantas o planeta
Com todo o teu mister,
Tens direito de fazer
Aquilo que convier,
Em meio à paz e a guerra
O que seria da terra
Sem tu, oh bela mulher?!

Sítio Ilha Grande / Santana do Mundaú – AL / 6 de março de 2017

(Todos os direitos reservados)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Felicidade (Vicente de Carvalho)

'UMA OSTRA QUE NÃO FOI FERIDA NÃO PRODUZ PÉROLAS' (Rubem Alves)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)