O PALHAÇO (Emanuel Galvão)



Ele não era um palhaço,
Só queria ser feliz,
Fazendo outros felizes.
Queria sorrisos, só risos.
E quando ele via um ser triste,
Mudava seu jeito, era ator.
Ia ao encontro desta figura,
Dava um salto, uma cambalhota
Ou até mesmo uma flor.
A conseqüência do sorrir
Era a retribuição repleta.
Pois naquela criatura pura,
- Do riso quase um poeta -
Que pintava mais de uma cor
Na sua triste face,
Ninguém percebia o disfarce:
Aquele homem-menino de alma colorida
Que, no palco desta vida,
Não recebia, dava amor.
Fez tanta gente sorrir,
Quando ele mesmo chorou.

Copyright © 2007 by Emanuel Galvão
All rights reserved.



Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana