MAR SEM FIM (Emanuel Galvão)


                                                                         
Foz do rio São Francisco
*para Ana & Alex

                      "Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento. 
                 Mas ninguém chama violentas às margens
                         que o comprimem."
                                                        Bertolt Brecht.

Da nascente do colo meu
Escorreu pequenininho
Quando vi ele cresceu
E seguiu o seu caminho.

Riacho levado ele era
Arteiro e cristalino
Pureza, inquieta quimera
Era assim o meu menino

Mas foi se tornando rio
Foi ficando corpulento
E foi nesse desvario
Que começou o tormento

Mãe não entende de filho
Mãe entende de amar
Como por um rio no trilho
Se seu destino é o mar

“E do rio que tudo arrasta
Se diz que é violento...”
E a margem que lhe diz basta
De todos tem consentimento

Da nascente do meu colo
Vi meu rio se afastar
Em seu sonho sem dolo
Queria apenas ser mar

E o mar que banha meu rosto
Quando vem me visitar
Saudade que tem um gosto
Eterno de um bem, de amar.

Não é para consolar
Falo porque acredito
O que aqui chamo mar
Deus chama de infinito.

Copyright © 2012 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

O Tempo (Roberto Pompeu de Toledo)