MAR SEM FIM (Emanuel Galvão)


                                                                         
Foz do rio São Francisco
*para Ana & Alex

                      "Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento. 
                 Mas ninguém chama violentas às margens
                         que o comprimem."
                                                        Bertolt Brecht.

Da nascente do colo meu
Escorreu pequenininho
Quando vi ele cresceu
E seguiu o seu caminho.

Riacho levado ele era
Arteiro e cristalino
Pureza, inquieta quimera
Era assim o meu menino

Mas foi se tornando rio
Foi ficando corpulento
E foi nesse desvario
Que começou o tormento

Mãe não entende de filho
Mãe entende de amar
Como por um rio no trilho
Se seu destino é o mar

“E do rio que tudo arrasta
Se diz que é violento...”
E a margem que lhe diz basta
De todos tem consentimento

Da nascente do meu colo
Vi meu rio se afastar
Em seu sonho sem dolo
Queria apenas ser mar

E o mar que banha meu rosto
Quando vem me visitar
Saudade que tem um gosto
Eterno de um bem, de amar.

Não é para consolar
Falo porque acredito
O que aqui chamo mar
Deus chama de infinito.

Copyright © 2012 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

Gostou? Compartilhe nas redes sociais.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Curta A Nossa Fanpage

Novo Livro

Novo Livro
Você pode compra-lo ligando para (82) 99653-4849

Desfrute, leia, curta e compartilhe boa leitura. Volte sempre!

O que está procurando?

Muito grato pela sua visita. Visita de Nº




Instagram

Recent In Internet

Poesia em seu Smartphone ou Iphone

Poesia em seu Smartphone ou Iphone
use seu leitor de Qr Code

Receba Novidades

RECEBA GRATUITAMENTE NOVIDADES DO BLOG!

Coloque seu e-mail abaixo:

Poesia Galvaneana