Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coração Descalça e sem roupa como num salão Tão bela e tão doce, mulher sem limites Quem dera que fosse... E assim exististes Dançando ao ritmo de minha pulsação.   Não cabes em rótulos, por que caberias? Palavras ou versos, talvez te seduza... Então, só então, tu abras tua blusa E ardente, insana, tu permitirias Volúpias intensas de terna paixão.   Porque minha pele não te resistiria Es bela não nego, sou tão negligente Foras apenas bela, mas és inteligente Não encontro virtude que assim a alcance Melhor te amar, assim de relance   Sem ilusões, sem juras de amor Romance de flor, sem dor sem espinho Caindo as pétalas, restará: odor e carinho Assim em meu sonho, te possuo inteira Te amando pleno, não de qualquer maneira. Copyright © 2020 by Emanuel Galvão All rights reserved. *Foto by: Ana Cruz    

FLOR ATREVIDA - EDITORA QUADRIOFFICE/2007 (Adriana Moraes)



Autor do Livro de poesia, Flor Atrevida, lançado na Bienal do Livro de 2007, o professor, artista visual, consultor em arte-educação, articulista e poeta Emanuel Galvão, apresenta ao cenário alagoano seus poemas inundados de cotidiano e beleza. Ousado como suas poesias, Emanuel nada contra a corrente de que livros de poesias não são bem aceitos pelo público, ou tem público restrito e lança seu livro/sonho, acalentado e escrito ao longo de 26 anos.

Diante de tanta ousadia, como explicar a arte de Emanuel Lopes Ferreira Galvão? Emanuel Poeta, como é conhecido, nascido e criando em União dos Palmares, cria suas poesias, mergulhado nos universos a que se propõe tratar. Quando o universo é feminino, toda paixão vem à tona em uma torrente de sensualidade e sensibilidade. Exemplo disso é o poema Metáforas, onde o poeta nos toca de fato com as palavras.

Uma das características mais marcantes de Emanuel é a captação da realidade reinventada, onde assume o papel do sedutor e do seduzido, ora amante, ora amado. Mas nem só de romance vive os poemas de Emanuel, em Dos excluídos e Sertão, os elementos de uma dura realidade são expostos assumindo o papel da luta contra as desigualdades sociais, mas com a graça e a leveza do poema ritmado e bem escrito.
Em 2011 Emanuel Poeta é convidado para fazer parte de um seleto grupo denominado Movimento da Palavra. A partir daí, sua produção cresce e tem visibilidade entre os intelectuais da capital, o que acarretou na indicação, para a Academia Maceioense de Letras.
Foto: Sergio Penha
Agora, Galvão, filho de um simples agricultor e uma professora primaria, que até a adolescência tinha dificuldades em português, galga mais um degrau em sua trajetória. É imortalizado, sendo eleito para a Academia Maceioense de letras, esse Palmarino toma posse definitiva de sua cadeira em 13 de março de 2013.
Foto: Sergio Penha

A academia Maceioense de Letras é a casa dos poetas a 58 anos, tendo como seu atual presidente um dos seus fundadores, o poeta Jucá Santos.


Adriana Moraes
Assessora de Comunicação



Comentários

  1. Que bom encontrar vc no seu blog....Não te vi mais na feira.
    Receba meu abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Laerço!
      Foi realmente um prazer conhecê-lo.
      Desculpa a demora em responder. Mas agora estou mais atento.
      Volte sempre meu amigo!
      Um forte abraço!

      Excluir
  2. Salve a Democracia

    Nossa gente se achava
    Em época mui sombria
    Limitando o que falava
    Pra não ser penalizado
    Pois nossa gente gemia.

    Mas o sol da liberdade
    Irradiou-nos harmonia
    Ressurgindo-nos o sorrir
    Com acesso ao ir e vim...
    "Salve a democracia"!

    Viva o Brasil brasileiro
    Povo ordeiro, que alegria!
    Respirando em liberdade
    Que vivamos em verdade
    Mui veraz democracia!!!

    Laerço dos Santos amante da poesa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ele é importante para nós. Apos verificação ele será publicado.

Postagens mais visitadas deste blog

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)