Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2018

A Caixa de Brinquedos (Rubem Alves)

Imagem
  A idéia de que o corpo carrega duas caixas —uma caixa de ferramentas, na mão direita, e uma caixa de brinquedos, na mão esquerda— apareceu enquanto eu me dedicava a mastigar, ruminar e digerir santo Agostinho. Como você deve saber, eu leio antropofagicamente. Porque os livros são feitos com a carne e o sangue daqueles que os escrevem. Dos livros, pode-se dizer o que os sacerdotes dizem da eucaristia: "Isso é o meu corpo; isso é a minha carne". Santo Agostinho não disse como eu digo. O que digo é o que ele disse depois de passado pelos meus processos digestivos. A diferença é que ele disse na grave linguagem dos teólogos e filósofos. E eu digo a mesma coisa na leve linguagem dos bufões e do riso. Pois santo Agostinho, resumindo o seu pensamento, disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas. A ordem do "uti" (ele escrevia em latim ) e a ordem do "frui". "

Literatura das Ruas (Sergio Vaz)

Imagem
A literatura é dama triste que atravessa a rua sem olhar para os pedintes, famintos por conhecimento, que se amontoam nas calçadas frias da senzala moderna chamada periferia. Frequenta os casarões, bibliotecas inacessíveis ao olho nu e prateleiras de livrarias que crianças não alcançam com os pés descalços. Dentro do livro ou sob o cárcere do privilégio, ela se deita com Victor Hugo, mas não com os Miseráveis. Beija a boca de Dante, mas não desce até o inferno. Faz sexo com Cervantes e ri da cara do Quixote. É triste, mas A rosa do povo não floresce no jardim plantado por Drummond. Quanto a nós, Capitães da areia e amados por Jorge, não restou outra alternativa a não ser criar o nosso próprio espaço para a morada da poesia. Assim nasceu o sarau da Cooperifa. Nasceu da mesma Emergência de Mário Quintana e antes que todos fossem embora pra Passárgada, transformamos o boteco do Zé Batidão num grande centro cultural. Agora, todas às quartas-feiras, guerreiros e guerreiras de todos os lad

Velha e Louca (Mallu Magalhães)

Imagem
Pode falar que eu não ligo Agora, amigo Eu tô em outra Eu tô ficando velha Eu tô ficando louca Pode avisar que eu não vou Oh oh oh Eu tô na estrada Eu nunca sei da hora Eu nunca sei de nada Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho Eu tenho tido a alegria como dom Em cada canto eu vejo o lado bom Pode falar que nem ligo Agora eu sigo O meu nariz Respiro fundo e canto Mesmo que um tanto rouca Pode falar, não importa O que tenho de torta Eu tenho de feliz Eu vou cambaleando De perna bamba e solta Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho Eu tenho tido a alegria como dom Em cada canto eu vejo o lado bom Nem vem tirar Meu riso frouxo com algum conselho Que hoje eu passei batom vermelho Eu tenho tido a alegria como dom Em cada canto eu vejo o lado bom

João (Di Melo - Roberto de Melo Santos)

Imagem
João, morrem sonhos alados Traz os olhos molhados Tem silêncio por dentro Mas diz tanta coisa pra não demonstrar O joão que se mata vivendo de amor Pedindo uma esmola, fazendo favor Que vende uma escada e compra uma esteira E deita na praia e na companheira Mas que se arrepende no dia seguinte Perante os amigos na mesa de uma bar E é tão conhecido esse tipo de gente O joão do ambiente que quer agradar Traz as mãos estendidas, em dois braços cortados Tem a alma criança mas pinta no rosto a imagem de um rei João que se faz do que ainda não fez Mas não tem coragem de ser de uma vez Que sobe na escada e pisa na esteira E compra uma praia e a companheira João, está na hora Resolve depressa que o amor vai embora E te deixa na mão Fora da verdade. longe do perdão. Conheça mais do cantor e compositor   aqui: Veja também o documentário  Di Melo, O Imorrível Ouça a música.

Nordestino Sim, Nordestinado Não (Patativa de Assaré/Antônio Gonçalves da Silva)

Imagem
Nunca diga nordestino Que Deus lhe deu um destino Causador do padecer Nunca diga que é o pecado Que lhe deixa fracassado Sem condições de viver Não guarde no pensamento Que estamos no sofrimento É pagando o que devemos  A Providência Divina Não nos deu a triste sina De sofrer o que sofremos Deus o autor da criação Nos dotou com a razão Bem livres de preconceitos Mas os ingratos da terra Com opressão e com guerra Negam os nossos direitos Não é Deus quem nos castiga Nem é a seca que obriga Sofrermos dura sentença Não somos nordestinados Nós somos injustiçados Tratados com indiferença Sofremos em nossa vida Uma batalha renhida Do irmão contra o irmão Nós somos injustiçados Nordestinos explorados Mas nordestinados não Há muita gente que chora Vagando de estrada afora Sem terra, sem lar, sem pão Crianças esfarrapadas Famintas, escaveiradas Morrendo de inanição Sofre o neto, o filho e o pai Para onde o pobre vai Sempre encontra o mesmo

Intertexto (Bertolt Brecht)

Imagem
Primeiro levaram os negros Mas não me importei com isso Eu não era negro Em seguida levaram alguns operários Mas não me importei com isso Eu também não era operário Depois prenderam os miseráveis Mas não me importei com isso Porque eu não sou miserável Depois agarraram uns desempregados Mas como tenho meu emprego Também não me importei Agora estão me levando Mas já é tarde. Como eu não me importei com ninguém Ninguém se importa comigo.

Com Fúria e Raiva (Sophia de Mello Breyner Andersen)

Imagem
Com fúria e raiva acuso o demagogo E o seu capitalismo das palavras Pois é preciso saber que a palavra é sagrada Que de longe muito longe um povo a trouxe E nela pôs sua alma confiada De longe muito longe desde o início O homem soube de si pela palavra E nomeou a pedra a flor a água E tudo emergiu porque ele disse Com fúria e raiva acuso o demagogo Que se promove à sombra da palavra E da palavra faz poder e jogo E transforma as palavras em moeda Como se fez com o trigo e com a terra

No Caminho com Maiakóvski (Eduardo Alves da Costa)

Imagem
Assim como a criança humildemente afaga a imagem do herói, assim me aproximo de ti, Maiakóvski. Não importa o que me possa acontecer por andar ombro a ombro com um poeta soviético. Lendo teus versos, aprendi a ter coragem.  Tu sabes, conheces melhor do que eu a velha história. Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na Segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada.  Nos dias que correm a ninguém é dado repousar a cabeça alheia ao terror. Os humildes baixam a cerviz; e nós, que não temos pacto algum com os senhores do mundo, por temor nos calamos. No silêncio de meu quarto a ousadia me afogueia as faces e eu fantasio um levante; mas amanhã, diante do juiz, talvez meus lábios calem a verda