O Acendedor de Esperanças da Rua (Emanuel Galvão)


Basta de verdades baratas. 
Arrancai o ranço do coração! 
As ruas são nossos pincéis 
e paletas as nossas praças. 
No livro do tempo 
ainda não foram cantadas 
as mil páginas da revolução.
Para a rua, futuristas, 
tambores e poetas! 

                                                               Vladimir Maiakóvski 

*Para Letícia Sabatella & Jonathan Silva

La vem o acendedor de esperanças da rua
Este mesmo que vem com sua inquietude,
Seus sonhos, suas dores, a juntar-se a tua,
A transformar, utopia e poesia, em atitude.

Um, dois, três corações, acende e continua
Outros mais a acender, inadvertidamente,
A medida que as trevas, rasteira insinua
Uma estupidez humana, viral e indecente.

Triste ironia atroz que Jorge nos apresenta:
O cordeiro inocente a apostar em lobos,
Enquanto o covarde, da escolha, se isenta.

A insídia do fascismo, se ergue e continua,
Na ilusão do apelo patriótico e seus arroubos.
Fez florescer, acendedores de corações na rua.


- Com Licença poética: Emanuel Galvão
30.10.2018


Copyright © 2018 by Emanuel Galvão
All rights reserved. 

*Letícia Sabatella









Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

'Somos queijo gorgonzola' (Maitê Proença)

PESSOAS VÃO EMBORA... (Marla de Queiroz)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

TEM GENTE QUE TEM CHEIRO... (Ana Jácomo)

FICO ASSIM SEM VOCÊ (Abdullah / Caca Moraes)

CANA DE AÇUCAR (Emanuel Galvão)