3ª Contingência Amorosa (Arriete Vilela)


Quero-te assim:
á distância.
Para dizer-me de ti, suavemente.
Ou negar-te,
quando tua lembrança doer
nas pitangueiras da minha infância,
pois insistes em colher os frutos
antes da estação.

Quero-te assim:
sem notícias.
Para que meu riso não te acolha
nem flagres em mim a alegria
de grande circo que, uma noite,
vivi no teu corpo.

Quero-te assim:
à deriva.
Para que, ao te buscar, o meu desejo
navegue à toa, naufragando aqui e acolá,
pois tua pele não tem porto,
nem cais,
nem âncora.


Comentários

POSTAGENS MAIS VISISITADAS

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Eu não gosto de você, Papai Noel!... (Aldemar Paiva)

Eu Te Desejo (Flávia Wenceslau)

Olhos (Ademir João da Silva)

'Eu desejo que você consiga...' (Marla de Queiroz)

Harmonia (Marla de Queiroz)

Elogio ao Desejo (Emanuel Galvão)

Da Calma e do Silêncio (Conceição Evaristo)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)