Mulher Sem Limites (Romance de Flor) (Emanuel Galvão)

Imagem
Você já figura no meu coraçãoDescalça e sem roupa como num salãoTão bela e tão doce, mulher sem limitesQuem dera que fosse... E assim exististesDançando ao ritmo de minha pulsação.Não cabes em rótulos, por que caberias?Palavras ou versos, talvez te seduza...Então, só então, tu abras tua blusaE ardente, insana, tu permitiriasVolúpias intensas de terna paixão.Porque minha pele não te resistiriaEs bela não nego, sou tão negligenteForas apenas bela, mas és inteligenteNão encontro virtude que assim a alcanceMelhor te amar, assim de relanceSem ilusões, sem juras de amorRomance de flor, sem dor sem espinhoCaindo as pétalas, restará: odor e carinhoAssim em meu sonho, te possuo inteiraTe amando pleno, não de qualquer maneira.
Copyright © 2020 by Emanuel Galvão
All rights reserved.

*Foto by: Ana Cruz

Carta Aos Mortos (Affonso Romano de Sant'Anna)

        


        Amigos, nada mudou 
        em essência. 
        Os salários mal dão para os gastos, 
        as guerras não terminaram 
        e há vírus novos e terríveis,
        embora o avanço da medicina.
        Volta e meia um vizinho
        tomba morto por questão de amor.
        Há filmes interessantes, é verdade,
        e como sempre, mulheres portentosas
        nos seduzem com suas bocas e pernas,
        mas em matéria de amor
        não inventamos nenhuma posição nova.
        Alguns cosmonautas ficam no espaço
        seis meses ou mais, testando a engrenagem
        e a solidão.
        Em cada olimpíada há récordes previstos
        e nos países, avanços e recuos sociais.
        Mas nenhum pássaro mudou seu canto
        com a modernidade.


        Reencenamos as mesmas tragédias gregas,
        relemos o Quixote, e a primavera
        chega pontualmente cada ano.


        Alguns hábitos, rios e florestas
        se perderam.
        Ninguém mais coloca cadeiras na calçada
        ou toma a fresca da tarde,
        mas temos máquinas velocíssimas
        que nos dispensam de pensar.


        Sobre o desaparecimento dos dinossauros
        e a formação das galáxias
        não avançamos nada.
        Roupas vão e voltam com as modas.
        Governos fortes caem, outros se levantam,
        países se dividem
        e as formigas e abelhas continuam
        fiéis ao seu trabalho. 


        Nada mudou em essência. 



        Cantamos parabéns nas festas,
        discutimos futebol na esquina
        morremos em estúpidos desastres
        e volta e meia
        um de nós olha o céu quando estrelado
        com o mesmo pasmo das cavernas.
        E cada geração , insolente,
        continua a achar
        que vive no ápice da história.

*Veja mais do autor AQUI:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS SECRETOS AMIGOS (Paulo Sant'Ana)

Os Votos (Sérgio Jockymann)

A FLOR E A FONTE (Vicente de Carvalho)

Só quem vive bem os agostos é merecedor da primavera! - Miryan Lucy de Rezende

A Reunião dos Bichos (Antônio Francisco)

Gritaram-me Negra (Victoria Santa Cruz)

Se Voltares (Rogaciano Leite)

Reinauguração (Carlos Drummond de Andrade)